O Cordel da Energia

O CORDEL DA ENERGIA

Por Luiz Eduardo Corrêa Lima

O tempo passa e todo dia,
se precisa de mais energia.
Energia para coisa boa
e energia para porcaria.
Energia que traz desgraça
e energia que traz alegria.
Energia que cresce as cidades,
mas também destrói suas crias.
Energia que desenvolve
e energia que contraria.

Dos vários tipos de energia
há uns que são muito bons
e outros que são bem pior,
então temos que conhecer melhor.
Tem a tal da Energia Eólica,
que está contida no vento
e dá para usar todo o tempo,
em qualquer situação comum,
com garantia e segurança,
sem causar perigo algum.

Também tem a Energia Solar,
essa é mesmo boa de amargar,
pois parece que nunca vai acabar,
enquanto o rei sol brilhar.
O sol, a nossa estrela imensa,
é mesmo uma dádiva de Deus.
O calor que ele manda ao planeta,
desde o começo dos tempos
é que mantém a vida na Terra
e gera todo nosso alimento.

Das pior, tem a Hidrelétrica,
embora não cause poluição do ar.
É ruim porque destrói a vegetação
e tudo que nela possa se encontrar.
Toda beleza que há na mata,
desde os bichos até as cataratas,
acaba tudo debaixo da água
e a paisagem se transforma.
O que era belo e diverso
 fica na água, preso em comporta.

Mas também tem Termelétrica.
Essa tem vários modelos ruins.
Tudo que dá para queimar,
em princípio pode se utilizar.
Mas, carvão, óleo, madeira e gás
costumam ser mais comuns.
Porém, como todas são muito más,
é melhor  nenhum delas usar.
As Termelétricas não prestam,
causam degradação de assustar.

Além da poluição do ar,
usam a água sem parar,
para tentar diminuir o calor.
Muito da água desaparece,
pois acaba virando vapor,
o resto dela, ainda quente,
é levada para dentro de um rio,
através de um novo efluente,
que mudará todo seu ambiente.
a quantidade de água é ampliada
e sua temperatura elevada.
prejudicando a vida que o rio tem
e as criaturas aquáticas também.

Mas, não para por aí não.
As Termelétricas são bem pior.
Elas também geram resíduos sólidos,
que não podem ser guardados,
precisando ser transferidos para longe,
para lugares determinados,
onde possa ser garantido,
que eles jamais serão reutilizados.
Mas ninguém sabe direito se isso
é verdadeiro e também se é melhor.

Termelétrica é mesmo muito ruim,
mas tem uma tal de Nuclear,
essa, então é uma desgraça.
a danada da Nuclear é muito pior.
Também não causa poluição do ar,
mas pode matar muito melhor.
Essa serve até para matar gente.
Isso mesmo, gente que nem nós,
gente de tudo quanto é ideal,
Basta aproveitar a Usina para o mal
ou não tratá-la com segurança.
que muita gente pode morrer,
acabando com a toda esperança.

A Nuclear usa metais radiativos,
césio, urânio, plutônio e polônio.
deles se aproveita  a tal radiação,
mas a coisa é danada de perigosa,
 não havendo como controlar
e qualquer descuido na ação
pode gerar um pandemônio.
Há muitos casos conhecidos
dos problemas causados pela Nuclear,
desde produção de Bombas Atômicas
até doenças crônicas no lugar.

O mundo ainda se lembra da bomba
que explodiu em Hiroshima,
e hoje, lá no mesmo Japão,
acompanha a usina de Fukushima,
Onde já até morreu gente
e a radiação ainda domina.
Mas eu poderia falar aqui
de Goiânia, Chernobyl ou Mururoa,
Pois em qualquer um desses lugares
Morreram gente e organismos à toa.

Nuclear é mesmo um pecado,
é arriscada e dá muito medo.
É melhor deixar ela de lado
e cuidar da Terra e da vida com apego.
Mas então, como fazer,
já que precisamos tanto de energia?
Como vamos arranjar a energia
necessária ao nosso sossego?
Como vamos superar as necessidades
do nosso dia a dia?

É simples, basta pensar numa fórmula,
que não é nada original.
Não há nem porque inventar,
vamos investir em energia eólica e solar,
além de descobrir novas fontes,
desde que mal não venham causar.
Desta forma teremos energia
e a vida no planeta vai continuar.
Então, nossa obra maior será
garantir energia e vida bem melhor. 


Rio de Janeiro, 21/22 de abril de 2011.
Luiz Eduardo Corrêa Lima (55) é Biólogo, Professor, Ambientalista e Escritor.
Membro Fundador da Academia Caçapavense de Letras.
Ex-Vereador e Ex-Presidente da C6amara Municipal de Caçapava.

Comentários

  1. Ao ilustre confrade
    de: Hugo Siqueira (78), escritor bissexto e plagiador de poetas.

    VISÃO DE SISTEMA

    Turbinas de vento; turbinas de fluxo d’água; termelétricas a gás ou etanol; grandes Kaplans, não são melhores nem piores quando julgadas de um ponto de vista isolado, mas como componente de um sistema concreto em andamento.
    Em outras palavras: devem ser vistas como parte de um sistema que evolui ao longo do tempo e em cujo contexto histórico e geográfico este componente pode ser inserido.

    Por exemplo:
    Instalamos um grupo gerador a gás que permanece ligado o tempo todo para atender a necessidade de energia do hospital da nossa cidade e deixamos a Cemig na reserva, ‘justo o contrário do habitual’: É mais seguro e sai mais em conta.
    Outra providência: retiramos o radiador e ligamos a água de arrefecimento do moto-gerador ao depósito que abastece 54 “anacrônicos chuveiros elétricos” e aos tanques de lavagem de roupa que – indubitavelmente – constitui a maior demanda de qualquer hospital.

    Com esta providência aproveitamos integralmente toda energia contida no combustível: 70% daquilo que antes era considerado como perdas em um motor de veículo autônomo foi utilizado para aquecimento. O restante 30% da energia mecânica útil no eixo foi utilizado para iluminação e acionamento de pequenas cargas como compressores, computadores, autoclave, etc. Tudo em perfeita consonância com o IIº princípio da termodinâmica.

    Esta é uma prática que tem sido adotada por inúmeros estabelecimentos para escapar do controle burocrático de empresas estatais financeiras que funcionam como agências arrecadadoras de tributos e encargos.

    Se não aprendemos ainda a economizar, o negócio é "cogerar"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Qual, é afinal, o papel da Funai?

Um golpe chamado Belo Monte – Parte 2